quinta-feira, 17 de maio de 2012

MUDANÇA


Ele chorou até cansar naquela noite; na outra enquanto se ouvia uma música da Bethânia, daquelas bem melosas, chorou de novo, mas no tempo certo da música: exatos três minutos e cinquenta e cinco segundos. Estava perfeito. Nem lenços, nem vergonha, nem mais nada da ordem de tristes. Nele tinha, agora, outra cor, outro tom, outro-outro. Tudo nele estava maior. Ele tinha mudado e sabia disso. Nunca mais chorou por amor.

0 Opinião (ões):

Tecnologia do Blogger.

Inscreva seu email, baby.

Seguidores

Hipocondria Literária Popular

Ocorreu um erro neste gadget