quinta-feira, 30 de outubro de 2014

no imperativo

Entra ditadura, sai máfia comportamental e eu sobrevivo. 
Às vezes sou eu o Imperador, outras escapo por um triz. 
Evolução sempre, pra frente é o meu movimento, 
mas lá dentro, guardadinho, ainda mora um anjo. 
Não tentem me corrigir, poema tem licença para acontecer.
segunda-feira, 20 de outubro de 2014

para um amor qualquer

todos os homens são iguais
pode crer
mas não se demore
meu castelo pode te dar abrigo e proteção
qual não se encontra por ai

tenho as ferramentas necessárias
mesmo eu,
menino/homem
tremido/terremoto
tímido/atrevido
que, sossego quando necessário
que olho pra dentro
que te acalmo
que te dou suporte e subsídio
que te levanto
e visito teus reinos
na manutenção essencial dos teus cantos

toco onde grita em você
onde te coloca em praça
em xeque (e gostas)
onde é mais que preciso
para você se libertar
não é prisão
e somente tesão
é pra lá de almas passadas que se conhecem
é além de amor
mas me fecho e te guardo
em delírio tentando te proteger
tu que andas louco
perturbado de liberdade
e confuso

estou nu
é claro
é nítido
meu alfabeto

posso morrer
e você também
então me veja
me olhe
quero ser visto por você


as flores ainda não morreram 
Tecnologia do Blogger.

Inscreva seu email, baby.

Seguidores

Hipocondria Literária Popular

Ocorreu um erro neste gadget