segunda-feira, 28 de maio de 2012

Cada mentira anunciada
Com tendência a verdade desesperada
Tenha sido na verdade
Ponte falida
Que não levou a outro lugar,
Só causou acidente. 
quarta-feira, 23 de maio de 2012

SEGREDO NOTÓRIO



Não faltará a possibilidade de ser eu teu, de novo
Outros domingos
Outros jantares
Transas de madrugada ou rapinhas na hora almoço
Tudo cor e cheiro
E olhos virando nuvens
Tudo da gente
Não faltará nova chance
Mas eu estou indo embora

Deixo essa dúvida para você matutar
Um será maior que possa imaginar
De tirar o sono
Eu vou
Agora
E quem sabe 
Outra vida
Outro sonho
Outro encontro
Outras cores
E tu falando aquilo no meu ouvido
O segredo notório entre os casais mais quentes. 

TE


Te escrevo.
Te penso.
Te deixo
guardado
no armário
e num poema.

QUERER



Pele quer pele
Coisa de ter e pensar que tem
Mistura estranha explosiva de fluidos corporais
Olho no olho, na bunda e as mãos atrevidas se permitem
Percorrer e andar e nadar e mergulhar e suar junto
Com todos os membros
Que querem ser parte de um todo que cresce e se soma
Se aumentando e transformando
Em coisa estranha e nova
E vira outra canção de amor.

JUSTIFICATIVA


muito do seu perigo eu sei
coisas que estão entre o azul e o vermelho

perece que não conseguirei dormir
tá tudo querendo uma resposta, justificativa
será que somos atores dessa peça maluca?
ou foi amor mal amado que aconteceu?

quando eu ando
eu caminho por mundo outros loucos diferentes
me permito ser outros
para não ser o mesmo azul de sempre
e outras cores exigem outros cheiros
outras texturas,
outras interações
e eu deixo acontecer.

será que vamos ficar assim um e outro
calados
?
será que a distância ela mesma venceu?
será que fui de ti, realmente roubado?
ou foi uma estranha e batida condição obrigatória de outras vidas
nos apaixonar?

e eu
fico
sozinho
pensando em você
queria
uma resposta
doce e sincera
pra acalmar
essas minha mão
tristes
e
apressadas
que tocam
música
antigas
e
sambas
nas coisas
pra
passar
o
tempo
que
quer te passar...
amor.
sexta-feira, 18 de maio de 2012

AINDA

Você ainda é presente em mim
Embora espaços vazios te denunciam em condição
Não há mais o cheiro
E os carinhos
Só duras e cortantes lembranças
Sem cor
Sem cheiro
Geladas

Você não vem mais pra mim
E é quase seu aniversário
Queria tanto ouvir sua voz
Escutar o silêncio que cerca também quando não há palavras
O que fazer?
Ao menos te perdoou
E falo a verdade aos meus amigos
Que estou sofrendo pela sua ausência
Mas que irá passar

Vou me curar de você.

quinta-feira, 17 de maio de 2012

MUDANÇA


Ele chorou até cansar naquela noite; na outra enquanto se ouvia uma música da Bethânia, daquelas bem melosas, chorou de novo, mas no tempo certo da música: exatos três minutos e cinquenta e cinco segundos. Estava perfeito. Nem lenços, nem vergonha, nem mais nada da ordem de tristes. Nele tinha, agora, outra cor, outro tom, outro-outro. Tudo nele estava maior. Ele tinha mudado e sabia disso. Nunca mais chorou por amor.
terça-feira, 15 de maio de 2012

AÍ QUE DOR



Inovador
Uma nova dor
Outro amor
Ou compositor
De outra dor
Outro amor
Que com ardor
Transformador
Muda aquela dor
De corredor
Circuladô

FORRÓ DO DESMANTELO



Morena se tu gostas vem que tem
Se tu curte um chamego vem que tem
Se me acha essa coisa toda vem que tem
Se quando treme as perninhas o folego já não tem
Vem que tem
E fica louca vira bicho, vem que tem
Vem com sede vem neném

Oh morena tu não sabe que eu adivinho teus desejos
Os todos os teus gostos todos-todos, teus agrados, tuas manhas vem que tem

Nessa noite toda quente
Nessa noite toda ardente tu me vem
Com o teu cheiro bem gostoso
Oh morena vem que tem
Vem que tem

E se tu ficas uma semana
Sem vir pra o forró
Eu fico louco é de desejo
Fico outro viro um nó

Oh morena vem logo, vem pra esse desmantelo
Vem simbora, vem voando
Vem atrás do seu apego
Vem correndo, vem táxi, moto-táxi vem ligeiro
Vem morena, moreninha vem pra esse desmantelo

MEDO DO AGRICULTOR




A saudade da mata me toma aqui na cidade
Obrigado a pena, ficar nesta casa capital
Longe do barulho menor e mais forte, bravo da mata
Pra mó de eu não morrer

Mas eu aqui longe da mata
A saudade me toma e quase me mata
Quando vejo o céu que lá é mais meu
Que lá é mais azul e a luz da lua mais luz da lua
Tudo cru, e plantado e crescendo
O boi, a galinha, a mulher

A saudade da mata me mata
Se não me disserem que volto
Eu morro de novo
domingo, 6 de maio de 2012

ESPELHO BANDIDO




Espelho bandido ainda te digo
Sou teu amigo, me responde
Por onde que anda aquele menino
Ainda tão vivo
Que nasceu em mim

Tu pregas uma peça
Me faz mentiroso
Um louco varrido
Eu juro sou teu amigo
Espelho bandido de um motel
Que passas tímido, vitrine
Que fica calado: espelho quebrado
Que olha de volta espelho, proposta de manhã

Não julgo tua logica
Teu jeito absurdo
Te faço maluco rindo contigo sem razão

No meu desaforo te cubro, ignoro
Reflexo escondido, trancado, com uma toalha molhada

Mas espelho bandido
Não sou um perigo
Perigo é você mostrar essas coisas sem razão
Jamais ousaria, te por em abismo
Me cair contigo: quebrar em outros tantos
Perdendo e ganhando maldição

O tempo safado te dita, e tu apaixonado por ele
O segui
Poderias ser teu próprio chefão
Não julgo tua lógica precisa
E deixo teu nome bandido, por seu teu amigo,
Se raiva somente tu serias palavrão.
sexta-feira, 4 de maio de 2012

PERMISSÃO



Deus, acredito somente no senhor como forma maior e única de poder e relevância religiosa, minha fé é sua. Mas me permita direcionar a Dionísio e culpa-lo pelos sonhos ainda com a mesma pessoa. Meu corpo já sabe, minha mente, meus amigos, tudo está de acorda com as penas românticas que possuo, o sonho é que entra incoerentemente e conta com o passado prometendo futuro lindo. Coisa inaceitável. Preciso explicar mais uma vez a Dionísio o que está acontecendo e caso não cumprido, condená-lo, na minha condição humana ignorante, de agir contra minha integridade emocional. 
terça-feira, 1 de maio de 2012

MINTAS


Quando te perguntarem sobre teu coração e certidões íntimas de compromisso: mintas. Não deixe nosso amor atrapalhar mais ainda tua vida, que se perdeu por instantes com a minha, numa profunda e avassaladora paixão, que se obrigou a se vestir de saudade e distância. Não queiras ser nome em personagem de história de amor, que não dá certo. Vamos ser mentira. Inteiras e distantes mentiras necessárias. O amor nos deixou.

Tecnologia do Blogger.

Inscreva seu email, baby.

Seguidores

Hipocondria Literária Popular

Ocorreu um erro neste gadget