quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

VÍCIO, RELIGIÃO, CEGUEIRA E ALGUMA COISA SOBRE O AMOR

Começou quando disse pra mim mesmo:
Vai amar que se esquece dos problemas.
Fui amando, amando... Esquecendo de tudo.
... do medo que sentia,
... da solidão em que me encontrava,
... do que poderia me acontecer se perdesse tudo.
Mais além: Ama, que se esquece, foi dito,
E eu me esqueci de tudo, das coisas ruins e das coisas boas.


A religião do Amor é Amar.
E o amor foi me cegando. Viciado quis mais e mais.
Coração fechou os olhos da lembrança, e os olhos da cara.


Amor é bobo, mas não é besta.
“Remédio de doido é outro na porta.”
... Amor Novo, só vem depois do Amor Velho.
Sujeira nas unhas da vida: A mesma tesoura da realidade que feriu o Amor limpou.

Tecnologia do Blogger.

Inscreva seu email, baby.

Seguidores

Hipocondria Literária Popular

Ocorreu um erro neste gadget