quinta-feira, 24 de março de 2011

BEM-TE-VI


O passarinho tá com a asinha machuca.
Ele sabe e não quer voar.
Mas ele ainda canta.
Bonitinho com sempre.
E sua dor, no mais alto tom,
Faz comover todos da floresta.

Bem-te-vi passarinho.
Bem te vi, e nunca mais esqueço do teu rosto.
quarta-feira, 16 de março de 2011

À Maria do Socorro P.D. de S.

Minha querida e amada mãe,
Meu secreto amor incondicional
Secreto porque nunca disse “eu te amo”.
Secreto porque mesmo quando te gritei, te xinguei, te humilhei: te amava
Em segrego.

Amo todas as suas mentiras.
E todas as suas verdades.
Amo sua inocência ignorante que aceita tudo com o coração (infantil).
- Como os errôneos juízos e doutrinas dos chefes e da sua Igreja.

Uma coisa é certa,
Não fugiria se aquele gigante da infância viesse me pegar,
Que você disse que o enfrentaria e mandaria embora.
Não fugiria.
Porque sou teu pai também.
Cuidei de você.
Dei parte da minha vida. Sacrifiquei sentimentos.
Tirei sangue de mim: Para provar mentiras.
Tudo exclusivamente por sua causa.

Te amo, mainha.
Se eu morrer amanhã, não morra.
Não faça o que você julga ser uma declaração de amor,
Ou uma grande verdade: herdada da sua mãe (Viciada em amor).
Resista como sempre fizeste.
Como sempre fará.

Eu que aprendi o poder da fênix.
Estarei sempre aqui.
Mesmo que em mentiras.
Mesmo que em verdades pequenas.
Mesmo que em fotos velhas.
Mesmo que em declarações de amor,
Como essa,
Secreta. 
quinta-feira, 10 de março de 2011

QUESTÃO DE GÊNERO

Tenho um corpo masculino
Estou preso ao gênero maior que dita tudo,
Comportamento,
Romances.
Sou palavra homem também. E se sou.
Masculino.

Minha alma canta errado.
É feminina, uma coisa que diz “a alma é linda”: Prova.
Minha cara, que também é, se prova no que dizem
“Parece tanto com você, Socorro” (minha mãe).

A mistura de gêneros, morfemas que designam sexo
Confundem-se.
Pois até tenho uma bunda. Que é feminina (a bunda)
... E solteira.
Ah bichinha... Vais ficar pra titia. 

Para Camilla Melo da Silva

Eu sou a nuvem negra. 
Que insiste em chuver no seu jardim. 
Chovo.
Molho tudo. 
Derrubo flor bonita no pé. 
E encho os potes de água dos cachorros. 


Lavo tudo. 
E vou-me.






Campina Grande, 10 de março de 2011.
sexta-feira, 4 de março de 2011

Isto não é um poema.

Tecnologia do Blogger.

Inscreva seu email, baby.

Seguidores

Hipocondria Literária Popular

Ocorreu um erro neste gadget