terça-feira, 24 de abril de 2012

EXPLICAÇÃO



Não espero:
Não quero mais:
Não desejo abertamente, exceto os segredos:
Não escrevo,
Não escrevendo tenho a ausência:
Que é a morte de tudo:
Ponto final de cada oração.
Amém.
segunda-feira, 23 de abril de 2012

VOCÊ NA SUA




Nada quase nada
E olha o que restou
Passado numa foto minha que você tirou
Eu anuncio um nada e você: nada faz
O coração fica parado indignado
Sem sabe como proceder
Você na sua

Será que sou eu o único maluco aqui?
Você nem diz que vai, que vem, nem nada, nem desdiz
Será que estamos mesmos condenados a viver tão longe de nós?
Será que essa história de moça-nova chegou ao fim?

Quem pode pensar em você assim: azul?
Quem pode contar que te ama, bêbado, de madrugada num telefonema pra ti?
Quem pode descobrir tuas manias insanas e ridículas sem fim?
Quem rasga os teus bilhetes rosas de raiva e põe a culpa em ti?

Será que estamos mesmos condenados a viver tão longe de nós?
Será que essa história de moça-nova chegou ao fim?
[Quem pode?] Qual autor cruel pode autorizar o nosso fim?
domingo, 22 de abril de 2012

SUA ALEGRIA

É maior isso que você tem ai
Tanto que não cabe direito em você
Fica vazando
Pingando
Suja todo o ambiente
As pessoas se assustam
Absorvem um pouco
Até chegar a parte da ignorância
Como não há o conter de valorização
Sua felicidade perecível apodrece. 

sexta-feira, 20 de abril de 2012

BOBAGEM



Viraste resposta
Quando era pra ser só pergunta
Coisas entre ‘como foi seu dia hoje?’ Ou ‘você está com fome, jantou?’
O quebra-cabeça há de refazer outras vezes
Com outras pessoas a se montar
Espero.

Mas todas essas pragas de velha cigana
Que te rogo
As maldições gregas,
Os desejos de morte
Que tive e que agora se calam e se nomeiam bobagem
Denuncia o bem quero
E o certo e merecido
Adeus.
quinta-feira, 19 de abril de 2012

UM OUTRO TEXTO DE AMOR



Não digas mais o meu nome
Tu, pedra, rolaste
O teu cheiro sumiu no espaço
O teu perigo foi conhecido
Te evitam
Eu dei a mão, o braço, você pegou,
Mas se jogou de novo na água suja do seu destino
Você perdeu o bote,
Estou partindo, partindo, partindo
E nem adeus
Estamos longe
Você é avesso, do avesso, do avesso do mil avesso
E nunca é nada
Você padece, é perecível
Sua cor desbotada
Você tem nada, tem nada, e quer tudo
Você tem
É feio isso ai que você mostra
Você procura um nome, não encontra
É feio, é feio, é feio e
Nem é legal
Uma avalanche te soterra
Você no breu fica no breu
Nossa Senhora me entende
Ela lamenta por você
E lamento você fica, retrato
RETRATO
Você tem uma laranja podre na mão.
domingo, 15 de abril de 2012

MILORD

Quando ele entra algo logo se sente
Ele é dono, é dono, é filho do dono
Tem permissão falsificada
Tem direito
É merecido
É grande
É pequeno
É nada e tudo
E tudo e tudo, é nada
Muito, pouco, nunca no meio
Nunca em cima lá daquele muro
Ele é o muro que tenta separar o podre do de se comer


Um pé lá e outro cá
Participa
Verbo, palavra 
Ele coloca os pontos finais
Ele inventa
Cria, coisa de filho do dono
Quando ele chora
Nossa Senhora chora junto
Ele é queridinho das mulheres
E dos homens de pensamentos acíclicos
Ele é reviravolta
Vingança e Justiça certa
Ele esquece, esquecendo ele mata, matando some, 
somete tudo, tudo muda
Ele mesmo até muda
Mas é subindo
Aumentando, esticando
Criando-se em ar, espaço, âmbito
Ele tem o que nem sabe o que tem
Ele tem o sorriso poderoso
Capaz de roubar o coração do diabo
Aquele sorriso imitando de Deus
Seu Pai, Filho, Irmão e Amante
Secreto.]

COBRA


Te deixo ai mesmo
Nem sobre, nem exposto
Enterrado.
Tu mesmo cobra cascavel
Cobra sucuri
Cobra naja fatal
Quase Gal, se não fosse a parede que tem na sua frente
-como pode deixar um amor assim sob o sol ressecando?
 E agora?! Ficas ai, e eu fico onde o vento do norte me levar.
segunda-feira, 2 de abril de 2012

O PALAVRÃO DIVINO


Foi Deus quem pegou na minha mão e colocou embaixo da minha cueca
Antes disso estaria uivando com uma pessoa desconhecida
Lambando, cheirando, rasgando, tudo saliva, sangue e secreção pura,
Aquela, a branca]
Foi Deus quem me disse que não sou animal comum
Penso, logo gozo com tua imagem na minha cabeça
É quase um palavrão divino, o verbo gozar.

UM DIA NO SÍTIO



Juliana dormia na rede
Teresinha cantava na cozinha
Pedrinho deitava na sala
Nena, Juana e Maria costuravam de prenda sabida
Marcelinho com Tonho pescando
Era dia, tinha vaca, cabrito e cavalo
E os pais brincando no mato.

SONHO ÍNTIMO DO SERTÃO



A terra do sertão fica vermelha quando se molha, é uma relação sexual da água com substância tão antiga chamada de chão. Passas sempre longas estações distante daquilo que já se foi orgânico: o sertão foi mesmo mar. O caboclo, não sabe. A lavadeira não sabe. A criança brincando com a boneca de milho não sabe. Não se sonham muito além da porteira, e muitos nem conhecem o mar, a não ser naquela noite longa de luar sobre a plantação molhada, tudo azul, onde o sertão sonha com o passado.
Tecnologia do Blogger.

Inscreva seu email, baby.

Seguidores

Hipocondria Literária Popular

Ocorreu um erro neste gadget