quinta-feira, 29 de março de 2012

SUICÍDIO



Poderia inventar outro amor, um amor cor-de-rosa ou azul mesmo, como você, mas em outro tom, um azul oriente médio turquesa. Poderia me amar eu mesmo, frequentando mais bares, noites novas, pessoas de formar novas, mistérios resolvidos. Mas aquela corrente que nos propomos a usar ainda há presa a meu pé. Eu já tentei dizer que não tinha nada, que era só solidão, carência e por isso os telefonemas e as mensagens. Tudo mentira.

Eu quero você. Eu quero você. Eu quero. Tudo aqui quer você. Mas eu tenho que seguir. Reencarnar em outra vida, reciclar este corpo que me resta e mudar. Mudar. Mudar. E virar passarinho. Ir voando pela janela todo dia e voltar para meu ninho: dormir, tomar água e comer.

Aqui jaz nosso amor. Amor. Adeus. 

0 Opinião (ões):

Tecnologia do Blogger.

Inscreva seu email, baby.

Seguidores

Hipocondria Literária Popular

Ocorreu um erro neste gadget