sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

TOURO


Tuas lanças chegaram até mim.
Estou ferido.
Mas certo que o tempo da cura vem.
Há quem morra pedindo socorro.
Em busca de um remédio.
Chorando.
Eu não.
Meu signo é daqueles que desfilam
Pela arena, mesmo ensanguentado.
Bravo nos dois sentidos.

Um touro é um touro até o ultimo respiro
Não se reinventa delirando 
Embora no pasto;
Embora lanças, e perfurações pelo corpo;
Touro é touro.
Eu sou de touro.
Minha força alerta por outro grau.
Do verbo ser.
Que é também o meu tamanho.

Quando, no ultimo instante,
A plateia vir a aplaudir o toureiro elegante.
Sei que minha missão estará por completa.
E ainda delirando no respirar.
Serei eu, o próprio Touro na arena.


0 Opinião (ões):

Tecnologia do Blogger.

Inscreva seu email, baby.

Seguidores

Hipocondria Literária Popular

Ocorreu um erro neste gadget