sábado, 28 de março de 2015

O MENINO DO ESPELHO

“Eu vou chover”

Diz ele assim mesmo, nem triste nem esperançoso

Para si mesmo. Num pulso de previsão

Neutro.

E disse vem as lágrimas

Tímidas, de menino heroico, brado, retumbante

Faço isso não universo

Ele é todo sonho e novela

Deixa ele acabar bem,

Viver o que tem, se está errado e anseia coisas boas

Se não dá pra salvar o mundo, não o abandone

Como faz com os poetas e loucos da rua

Não deixe mutilado numa esquina,

Contrario de pai e Deus

Tem de piedade, mundo

Fica com ele

O aceita

O guarda

Sorri junto

Se ele se mata tudo acaba,

Queria nem falar

Ele te acha tão bonito

“viver é ser lindo em conjunto”

Das belezas que o salvam,

Estão as mais lindas e comoventes

Ele é poeta

Ele sou eu

E eu (ainda) não sou ninguém.

0 Opinião (ões):

Tecnologia do Blogger.

Inscreva seu email, baby.

Seguidores

Hipocondria Literária Popular

Ocorreu um erro neste gadget