segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

DOIS, UM QUASE ZERO



Meu amor é um grande sinal grudado à cabeça
Você viu e soube em todos os momentos
Eu sei, eu sei, eu sei, fomos eternos
E é isso que não entendo
Qual bicho? Qual mãe? Qual outra coisa qualquer
Te tomou tão inteiro de mim?
Por que não me procuras?
Sou o único louco que ama nessa narrativa quase épica
Se não fosse toda a tragédia que inspira e
Caminha somente ela, sozinha
Como eu, agora
Que queria tua presencia
Por mais imunda e ridícula que soasse
Para mim
Que cuido de mim
Desde criança
Talvez fosse o motivo
Dessa saga em tua busca da tua companhia
Do teu amor
Do teu rosto para beijar
Talvez o único motivo
Que eu quero você comigo pra sempre
Seja o porque fomos uma família
Qual eu não tive em patologia
Cuidávamo-nos, um do outro.

0 Opinião (ões):

Tecnologia do Blogger.

Inscreva seu email, baby.

Seguidores

Hipocondria Literária Popular

Ocorreu um erro neste gadget